27 abril 2009

Se a vida fosse um Musical.


Imagine que divertido e surreal seria se a vida fosse um musical.
Nada aconteceria sem uma coreografia, um canto introdutório, um ritmo.
A vida sendo um musical, quando fossemos a uma loja -por exemplo- comprar um sapato, fariamos disso um aria, com todos os vendedores e clientes cantando e dançando o ato de experimentar aquele sapato perfeito visto na vitrine. Tonos, baritonos, sopranos, coro, todos salvando à maravilha de uma coisa cotidiana.
Acordar de manhã seria um duelo de bocejos perfeitamente afinados contra o canto dos pássaros. O café da manhã um ato heróico com uma coreografia de migalhas de pão sendo sequestradas por formigas em Lá Maior.
O melhor seria quando vemos uma pessoa que amamos. Para expressar nosso sentimento representariamos todo um ato de varios minutos até chegar ao beijo esperado, ah, não podemos esquecer do crecendo antes do beijo, muito importante.
Se a vida fosse um musical poderia até parecer um pouco ridiculo, mas seria muito divertido. As coisas seriam mais cerimoniosas, dariam mais valor aos momentos que não damos valor nenhum. E claro, teriamos que nos esforçar mais para entender algumas coisas, já que a linguajem do corpo e da música nem sempre estão de acordo com a retórica.


L’amour est un oiseau rebelle
Que nul ne peut apprivoiser,
Et c’est bien in vain qu’on l’appelle
S’il lui convient de refuser.

Rien n’y fait, menace ou prière.
L’un parle bien, l’autre se tait.
Et c’est l’autre que je préfère.
Il n’a rien dit mais il me plait.

L’amour! L’amour! L’amour! L’amour!

L’amour est enfant de Bohême,
Il n’a jamais jamais connu de loi.
Si tou ne m’aimes pas, je t’aime.
Si je t’aime, prends garde à toi!

Si tou ne m’aimes pas, si tou ne m’aimes pas, je t’aime,
Mais si je t’aime, si je t’aime, prends garde à toi!

L’oiseau que tu croyais surprendere
Battit d’aile et s’envola.
L’amour est loin, tu peux l’attendre.
Tu ne l’attends pas, il est là.

Tout atour de toi, vite vite,
Il vient, s’en va, puis il revient.
Tu crois le tenir, il t’evite.
Tu crois l’eviter, il te tient.

L’amour! L’amour! L’amour! L’amour!

L’amour est enfant de Bohême,
Il n’a jamais jamais connu de loi.
Si tou ne m’aimes pas, je t’aime.
Si je t’aime, prends garde à toi!

Si tou ne m’aimes pas, si tou ne m’aimes pas, je t’aime,
Mais si je t’aime, si je t’aime, prends garde à toi!

Carmen, Bizet


isso.

Um comentário:

Anitha Rosenrot disse...

Eu já havia pensado nisso.
Algumas situações seriam engraçadíssimas. hahaha
Bem que poderia ser tudo como num musical mesmo,a música tem um impacto tão grande na minha vida... As vezes eu chego a pensar que a felicidade é só uma questão de escolher a música certa! ;D

Abraços,Danton!
até.